Mortes por covid-19 diminuem na capital, mas casos ativos voltam a subir

Nesta quarta-feira (6), a Secretaria Municipal da Saúde de Curitiba registrou 793 novos casos de covid-19 e 17 óbitos em consequência da doença. As mortes diárias têm apresentado redução na comparação com a semana anterior, no entanto os casos ativos da doença – quando há potencial de transmissão do vírus – voltou a aumentar.

Entre os novos óbitos registrados, 12 ocorreram nas últimas 48 horas. As novas vítimas são sete homens e dez mulheres, com idades entre 40 e 88 anos. Dois dos pacientes não apresentavam fatores de risco para complicações da doença. Até agora são 2.304 mortes na cidade provocadas pela doença neste período de pandemia. Leia mais em Tribuna Paraná.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

No Hospital Universitário, 82% dos leitos de UTI estão ocupados

O informe da Universidade Estadual de Ponta Grossa (UEPG) emitido na noite de sábado (9) indica que dos 114 leitos da Ala Covid do Hospital Universitário (HU), 94 estavam com pacientes. Desses, 69 foram positivados para a doença, 5 negativados e 20 aguardam os resultados dos exames.

Na Ala Covid, existem 46 Unidades de Terapia Intensiva (UTI), 37 estão com pacientes. Na Enfermaria são 64 leitos, 54 estão ocupadas. Dos quatro leitos emergenciais, três estão com pacientes. Nem todos os hospitalizados são de Ponta Grossa. O HU é a unidade de referência regional da doença e recebe pacientes SUS de várias cidades. As informações são do Walter Téle Menechino – dcmais.

Na pandemia, feminicídio cresce no Paraná e 32 mulheres são mortas em 2020

Tatiana, Ana Paula e Evelaine. Cada um desses nomes representa um universo de mulheres com histórias de violência, medo e insegurança. Em comum, se tornaram vítimas de covardes em 2020 e entraram no triste número de casos de feminicídio no Paraná. Aliás, dados da Secretaria de Segurança Pública do Paraná (SESP) apontam que de janeiro até setembro do ano passado, 32 mulheres foram assassinadas. Para piorar o quadro, especialistas alertam que o número vai crescer após a pandemia do novo coronavírus.

Leia mais em Tribuna Paraná.