Paraná exporta US$ 1,1 bilhão em produtos agropecuários para países árabes em 2020

A venda de produtos agropecuários para o mercado de países árabes representou US$ 1,1 bilhão em exportações do Paraná, entre janeiro e novembro de 2020, segundo dados do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento.

No país, foram mais de US$ 7,2 bilhões em exportações destes produtos no período.

Ainda conforme os dados, carne de frango, açúcar e celulose lideram as exportações de produtores do Paraná para o Oriente Médio.

O país que mais comprou neste período foi o Iraque (US$ 250 milhões), seguido dos Emirados Árabes Unidos (US$ 203 milhões).

Outra nação com volume expressivo de compra foi a Arábia Saudita (US$ 181 milhões). Um dos responsáveis pela negociação entre Brasil e a Arábia é o adido agrícola em Riade, Marcel Moreira. Ele afirma que o país tem o desafio de criar uma identidade com o consumidor final.

As informações são do G1 Paraná.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Na pandemia, feminicídio cresce no Paraná e 32 mulheres são mortas em 2020

Tatiana, Ana Paula e Evelaine. Cada um desses nomes representa um universo de mulheres com histórias de violência, medo e insegurança. Em comum, se tornaram vítimas de covardes em 2020 e entraram no triste número de casos de feminicídio no Paraná. Aliás, dados da Secretaria de Segurança Pública do Paraná (SESP) apontam que de janeiro até setembro do ano passado, 32 mulheres foram assassinadas. Para piorar o quadro, especialistas alertam que o número vai crescer após a pandemia do novo coronavírus.

Leia mais em Tribuna Paraná.

Pobreza extrema pode voltar a atingir mais de 20 milhões de pessoas com o fim do auxílio emergencial

Com o fim do auxílio emergencial em dezembro e sem a garantia de extensão do benefício, uma taxa de 10% a 15% da população brasileira deve ser atingida pela extrema pobreza a partir deste mês.

De acordo com cálculo do economista Daniel Duque, pesquisador do Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getulio Vargas, a proporção de pessoas que estarão em situação de pobreza extrema, quando a renda é de até 1,90 dólar por dia, pode dobrar em relação a 2019, quando a taxa foi de 6,5% da população, ou 13,7 milhões.

Leia mais em Carta Capital.