Veja quanto cada deputado estadual gastou ano passado

Além de pagar dos deputados e assessores, Assembleia Legislativa do Paraná disponibiliza até R$ 31.679,80 mensais a cada um dos 54 parlamentares a título de”verba de ressarcimento”. Esse dinheiro é usado para bancar, por exemplo, gastos com transporte, alimentação, telefone, combustível, correspondência, locação de imóveis e equipamentos de informática, divulgação e serviços técnicos (como advocacia, contabilidade etc).

De janeiro a novembro do ano passado – o relatório de dezembro ainda não está pronto – esses gastos totalizaram R$ 12.042.803,01, contra R$ 13.810.923,67 de igual período de 2019. Houve uma redução de 12,80%, o que é explicado pelo fato de a pandemia ter restringido as atividades parlamentares. Veja a seguir quanto cada deputado gastou:

Galo                            R$ 348.338,84
Soldado Adriano        R$ 341.211,21
Plauto Miró                 R$ 337.868,44
Paulo Litro                  R$ 330.117,36
Tiago Amaral              R$ 326.158,76
Luiz Carlos Martins    R$ 322.322,88
Cristina Silvestri         R$ 315.055,64
Boca Aberta Jr           R$ 314.234,75
Cobra Repórter          R$ 312.436,82
Requião Filho             R$ 310.520,84
Ricardo Arruda           R$ 307.952,84
Francisco Bührer        R$ 305.499,30
Coronel Lee PSL        R$ 300.614,14
Francischini                R$ 297.884,40
Soldado Fruet             R$ 282.032,40
Alexandre Curi            R$ 281.531,44
Luiz C. Romanelli        R$ 280.333,51
Jonas Guimarães        R$ 273.974,85
Rubens Recalcatti       R$ 273.868,21
Tercílio Turini               R$ 270.385,52
Douglas Fabrício         R$ 270.247,00
Alexandre Amaro        R$ 268.156,13
Delegado Jacovós      R$ 264.364,73
Delegado Fernando    R$ 260.603,28
Gilberto Ribeiro           R$ 255.244,04
Arilson Chiorato          R$ 254.062,42
Ademar Traiano          R$ 252.213,96
Anibelli Neto                R$ 251.662,07
Dr. Batista                    R$ 240.580,39
Emerson Bacil             R$ 233.338,87
Nelson Justus              R$ 233.241,91
Tião Medeiros              R$ 233.238,95
Reichembach               R$ 233.113,37
Professor Lemos         R$ 228.681,91
Mauro Moraes              R$ 228.058,80
Artagão Jr.                    R$ 227.880,41
Hussein Bakri               R$ 221.891,87
Michele Caputo            R$ 204.086,87
Nelson Luersen            R$ 200.535,44
Tadeu Veneri                R$187.204,40
Maria Victoria               R$ 181.807,58
Goura                             R$ 178.223,08
Mara Lima                     R$ 174.658,81
Do Carmo                      R$ 168.210,77
Marcel Micheletto        R$ 166.768,93
Luciana Rafagnin         R$ 165.987,39
Subtenente Everton     R$ 161.348,38
Gilson de Souza            R$ 149.105,27
Gugu Bueno                   R$ 147.683,65
Homero Marchese        R$ 127.435,94
Marcio Pacheco            R$ 127.358,57
Evandro Araújo              R$ 103.531,96
Mabel Canto                   R$ 61.076,02
Rodrigo Estacho            R$ 60.053,90
Luiz F. Guerra                 R$ 31.905,18

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

No Hospital Universitário, 82% dos leitos de UTI estão ocupados

O informe da Universidade Estadual de Ponta Grossa (UEPG) emitido na noite de sábado (9) indica que dos 114 leitos da Ala Covid do Hospital Universitário (HU), 94 estavam com pacientes. Desses, 69 foram positivados para a doença, 5 negativados e 20 aguardam os resultados dos exames.

Na Ala Covid, existem 46 Unidades de Terapia Intensiva (UTI), 37 estão com pacientes. Na Enfermaria são 64 leitos, 54 estão ocupadas. Dos quatro leitos emergenciais, três estão com pacientes. Nem todos os hospitalizados são de Ponta Grossa. O HU é a unidade de referência regional da doença e recebe pacientes SUS de várias cidades. As informações são do Walter Téle Menechino – dcmais.

Na pandemia, feminicídio cresce no Paraná e 32 mulheres são mortas em 2020

Tatiana, Ana Paula e Evelaine. Cada um desses nomes representa um universo de mulheres com histórias de violência, medo e insegurança. Em comum, se tornaram vítimas de covardes em 2020 e entraram no triste número de casos de feminicídio no Paraná. Aliás, dados da Secretaria de Segurança Pública do Paraná (SESP) apontam que de janeiro até setembro do ano passado, 32 mulheres foram assassinadas. Para piorar o quadro, especialistas alertam que o número vai crescer após a pandemia do novo coronavírus.

Leia mais em Tribuna Paraná.